4 de mar de 2010

EU

De libertina a casta menina.
A criança que fui de novo agora.
Novamente
Para meu horror ou deleite
Minha infância tangível
Por milagre
A pequena criança
Disforme
Deformada
Novamente
Vou, volto, eu não me pertenço
Vago, solta no espaço
Mórbida sensação de vazio
Mórbido sentimento, este.
Pulsar, coisas respiram
O impossível acontece
Sou menina e sou mulher
Só a mim pertenço

4 comentários:

  1. te persigo,cachorra!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. que beleza, Rosario.

    ResponderExcluir
  3. um belo verso, Rosario Central; gostaria de saber como vc anda. Pedro Henrique

    ResponderExcluir