17 de fev de 2010

Uma no meio da multidão

Quem sou eu? É como me sinto, de repente, e bem no meio da rua. Sei quando começa, porque a sensação é de pavor, medo de desmaiar a frente de todos e ser ridicularizada.

Começo a suar muito e tremer. A taquicardia dispara e eu tenho minha visão comprometida. Vejo o perto às vezes longíssimo... e vice-versa. As noções de espaço e tempo, alteradas. As imagens contorcem-se e vejo tudo distorcido. E uma sensação de perda de identidade. As pessoas, assim, me parecem figuras de Francis Bacon e sou obrigada a me sentar em qualquer lugar para não cair. A sensação maior é de estar só e solta no mundo e sentir profundo pânico por isso.

Suo e penso. Penso e suo ao mesmo tempo alternadamente.

Ai, lá vem ele, o chofer redentor, mais um segundo e eu estaria estirada no chão, entregue ao olhar implacável e impiedoso dos passantes, aberta a visitação pública.


3 comentários:

  1. Écomo me sinto,até hoje.Descriçao perfeita! Joana Prado

    ResponderExcluir
  2. Descrição muito fiel mesmo, bastante semelhante às que eu ouço de pessoas muito próxinas que enfrentam os mesmos tipos de problemas... beijos, Ana Laura

    ResponderExcluir