21 de dez de 2009

GEOGRAFIA

Coisa mais doída, dolorida e doida que é separar. Os lábios ainda colados. Os olhos nos olhos. O braço enlaça o laço. As bocas ensaiam palavras vazias de sentido que nada mais são agora.

Que você está aí e eu aqui. Será que existe isso? Um lugar em que eu acabo e você começa?
Terei que me informar com a pessoa mais sábia entre os sábios e mesmo assim, duvido muito que ela saiba isso... Onde geograficamente começam e terminam pessoas que se amam. Porque amar um dia muito, é amar para sempre. Isso eu aprendi. E nunca esquecerei.

Um comentário: