12 de out de 2010

COM O CORAÇÃO NA BOCA

















O ritmo das ruas, o frio na alma, o medo da loucura, esse meu amor que nunca chega...
Não importa, não quero mais. Tenho que driblar a dor. Tento driblar a dor, mas ela me alfineta a alma.
O vai-vem do trânsito. Sofrer não tem hora, lugar? Coração bate forte, bate rápido, bate mais. Sinal dos tempos...
Eu envelheço... Tem importância? Só a depressão crescente.
Tenho que driblar a dor da dor, da falta de amor, vazio na alma, pânico presente, vertigem, vontade de morrer e rápido, vapt vupt. Que seja indolor, que seja breve...
Alguém falou de uma luz? Fim do túnel.
Coração que pulsa, coração que sente. O medo vem na boca, que seca e emudece... Vertigem.
Meu coração batia desenfreado, descompassado, como o ritmo das ruas. A agonia era tal que não me permitia pensar. Também, pra quê? Não dava pra mudar as coisas... A angústia não me dava descanso. Minha cabeça perecia bateria de uma escola de samba. Minha taquicardia absurda fazia meu coração bater na boca. Tudo passa voando ante meus olhos: carros, edifícios, pessoas, tudo. Não consigo me fixar em nada. Também pudera, foi assim que a maioria das pessoas escolheu viver... Que pode fazer um pobre vagabundo como eu?
Falta de ar, muita falta de ar... Tô com medo de de repente acontecer o meu final, logo agora que resolvi encarar tudo de frente, fazer minha vida finalmente ter sentido. Não. Não vou deixar. Sou forte, combativo, lutarei até o último minuto.

Imagem de Lucien Freud

9 comentários:

  1. Maria do Rosário, nome de flor, nome de fé. Maria, a Sublime, do Rosário, grinalda de 200 rosas em flor.
    Te conheci muito pouco, muito pouco mesmo...
    Mesmo assim, conversando em Secretário na varanda da casa da Regina ou lendo seus belos textos no Blog da Rosário, pude perceber seu perfume e apreciar a beleza de uma rosa-mulher que tinha descoberto muitas formas de desabrochar.
    Voce que fez do meu blog o numero 1: 1 seguidor, voce!
    Voce, que sempre esteve presente nas conversas das primas irmãs e das primas postiças também.
    Voce que foi embora tão cedo e não me deu tempo de te conhecer melhor, bem melhor...
    Voce vai fazer falta, muita falta para todos que te amavam pessoalmente e virtualmente também.
    Mas não se preocupe não, o Zé, a Celinha e muitos outros queridos já estão preparando uma festa para te receber.
    Duzentas mil rosas em flor para você!
    Beijos carinhosos,

    ResponderExcluir
  2. Hoje um silêncio toma conta aqui. No blog, aqui na Agência e na vida de cada uma de nós que lhe conheceu, querida.
    Perdemos tanto sem você. E eu, muito mais do que uma de suas agentes, perdi minha parceira de argumentos. Minha parceira de leitura e comentários de blogs. Minha leitora de sempre. Nossa incentivadora - quando éramos nós que deveríamos estar nesse papel, não é?
    Hoje somos nós que seguimos com o coração fora do lugar e a boca seca.
    Uma saudade adiantada das longas conversas e telefonemas.
    Que Ele receba mais esta Rosa com o carinho e o amor com que nos despedimos!

    ResponderExcluir
  3. O Fabuloso Destino de Rosário Poulain




    Hoje, neste dia chuvoso, quando recebi o e-mail de Anna Maria Ribeiro, me informando sobre o “encantamento” da nossa querida amiga Rosário, fiquei extremamente surpreso e triste , apesar de ter pressentido que algo estava acontecendo nas ultimas semanas,logo após sua queda em casa.
    Estive com Rosário em setembro no lançamento do livro do Abritta no Jardim Botânico, e ela gentilmente me deu seu livro “Abrace-me Urgentemente” , com a seguinte dedicatória: “Para o agora mais recente amigo de infância, pessoa que aprendi a gostar muito e admirar “.
    Quando Rosário me escreveu falando de suas experiências no passado, reconheci no olhar o mesmo brilho e garra vistos no filme cult “O Fabuloso Destino de Amelie Poulain”. Na sua foto no blog, seu olhar para a lente,na minha visão, é idêntico ao da personagem do filme.
    A estória do filme é simples:
    Uma jovem, trabalha como garçonete e mora em um simples apartamento em Paris. Certo dia encontra uma caixa pessoal em seu apartamento e descobre que esta pertencia a um ex-morador. Depois disso, ela decide encontrar o dono da caixa, por muita sorte, consegue devolver-lhe seu bem precioso. Encantada e ao mesmo tempo comovida com a felicidade do homem, Amelie descobre um novo sentido para sua vida e passa agora a fazer o bem ajudando a todos de todas as formas. Mas, também acaba por descobrir que ainda lhe falta algo que a impede de se sentir feliz ou realizada: um grande amor.

    As perdas que Rosário sofreu na sua curta vida, similares afetivamente ao que Amelie passara,fizeram com que ela tenha procurado sua própria caixa pessoal (possuiu inúmeras), mas no caso, foi a sua escrita, o amor à família e aos amigos, ao seu cão Gipsy e a querida Paraty para libertar seu transbordamento de afeto.
    A sensibilidade de Rosário trilhou, cautelosamente, os caminhos da vida e da experiência com outros seres, não esquecendo os humanos. A busca de Rosário-Amelie certamente é a de todos nós, e foi isto que vi no seu olhar e na tão carinhosa dedicatória.
    Porém minha análise e conceitos podem ser suspeitos, afinal Rosário É amiga querida e parceira de textos e sonhos no Montblaat, mas sabemos que ninguém é perfeito.
    Este texto nunca será triste,pois tem o sabor maravilhoso do afeto e da minha saudade, mesmo tendo convivido apenas poucos meses com Rosário.
    O melhor modo de lembrarmos de Rosário é escrevendo a todos, revendo o seu blog, e igual ao título do seu livro Abraçar Urgentemente a quem amamos !
    Rosário, Beijos do João !

    ResponderExcluir
  4. Penso muito em você. estou muito triste pois nestes dois anos te procurei muito e somente agora te encontrei.
    um beijo cheio de lembranças boas e muitos risos com gosto de Paris.

    ResponderExcluir
  5. victor nuno costa rodrigues21 de outubro de 2010 10:08

    Rosario, meu amor, amor de uma vida:

    Não tenho o direito de simplesmente calar teu blog. Vou deixar aqui o espaço para que todos que te amaram escrevam o que desejarem a teu respeito.

    Ele, porém, não terá a continuidade que só você poderia lhe dar, com sua tenacidade, coragem e amor. Sou testemunha de como este blog foi vital nestes últimos anos de tua vida ao lhe emprestar a possibilidade da expressão que, como poucos, você conseguia traduzir em beleza e extrema sensibilidade.

    O texto acima "Com o coração na boca" é você, pintada, escarrada, crua e sofrida como foram teus últimos tempos.

    Ainda não sei como, mas sinto-me imbuído da missão de fazer publicar tudo o que você escreveu e hei de fazê-lo.

    Será minha modesta homenagem a tudo que você foi, é e continuará a ser para muitos e, em especial, para mim.

    Do sempre teu, como gostávamos de assinar,
    Victor.

    ResponderExcluir
  6. Minha eterna Maria, beijo-te hoje pelo teu dia.
    Você está bem, eu sinto e isso é o que importa.
    Com amor, V.

    ResponderExcluir
  7. Um ano se passou desde que vc nao mais esta entre nos. Onde estiver saiba do meu amor eterno. Teu Victor de sempre

    ResponderExcluir
  8. Tive o previlégio de conhece-la e trabalhar com o casal no sitio da Luz
    na cidade de Paraty
    Fui caseiro por tres anos e guardo muito boas lembranças...SAUDADES ETERNAS DONA ROSÁRIO éra assim que chamavamos..

    ResponderExcluir