10 de ago de 2010

AQUI SE COME BEM


Casadinho a Cachoeira da Luz

Aproveitei minha ida a FLIP em Paraty para, como sempre, engordar mais um pouquinho. Vários pratos locais são ótimos e de execução muito simples. A cozinha caiçara é quase sempre a base de frutos do mar e a criatividade não chega a ser brilhante. Verdade que há diversos bons restaurantes que se esmeram em “contemporaneizar” tais receitas.
O hit local é o “casadinho”, dois camarões VG recheados de farofa de camarão colados em forma de sexo oral duplo por meio de palitos. Então aqui vai minha receita “inventiva” para esta delicia e à qual dei o nome de minha modesta pousadinha.
Vamos falar em agradar a quatro pessoas:
Lavar oito camarões VG (VG mesmo!!!) apenas na água, deixando casca, cabeça e cauda e deixá-lo descansar um tempo. Espremer meio limão por sobre os bichinhos. Acrescente uma pitada de pimenta do reino.
Pegar uma bela banana da terra e fatiá-la em rodelas. Juntar com um punhado de quantidade equivalente de castanha do caju, num recipiente para serem bem socados com um pilão. Isto vai virar uma espécie de paçoquinha. A ela, juntar boa quantidade de camarões bem miúdos, completamente limpos , descascados e rapidamente cozidos, até pegarem uma cor. Formar com as mãos uma massinha com isto tudo e encher as barrigas dos VG com a mesma.
Formar quatro duplas de camarões VG com as barrigas devidamente cheias fazendo um belo 69, prendendo-os bem com palitos, para não se soltarem (quem sabe em busca de outros parceiros, se vivos estivessem).
Lambuzar ligeiramente cada dupla com farinha de trigo e, em óleo novo e fervente ao extremo, mergulhar cada dupla com uma espátula apropriada, rapidamente, apenas até as cascas ficarem rosas e crocantes. Secar tudo em papel absorvente.
Formar rabiscos em quatro pratos brancos com oyster sauce, encontrável hoje em dia em bons supermercados e/ou em lojas de produtos asiáticos. Depositar cada dupla de casadinho sobre os pratos “decorados”. Servir apenas com uma grande salada toda verde regada com belo azeite.
Comer com as mãos ou não, é irrelevante, a menos que você esteja com a Rainha da Inglaterra, mas não deixe de, a cada mordida ou garfada, dar uma passadinha ligeira no molho de ostras. A mistura final, os sabores da banana, da castanha, do crocante das cascas (que viram chips) e tudo o mais devem agradar ao paladar mais erudito, como o de vários comensais que estavam lá na FLIP .

Victor Rodrigues

3 comentários:

  1. Poxa! Pela descrição, é de dar agua na boca.Vou tentar faze-lo no próximo fim de semana,depois volto para contar!rs rs Fabíola.

    ResponderExcluir
  2. mas a foto não corresponde a descrição da receita final, não é?

    ResponderExcluir
  3. Caro JHC, quase FHC, aquele que nunca na historia deste Pais foi mais humilde:

    Vc tem toda a razão, este casadinho é de um quiosque bárbaro que tem em Paraty, na Praia do Pontal. É o tradicional e ótimo.

    O da minha receita, infelizmente não tirei fotos.
    Sorry e um abraço, Victor.

    ResponderExcluir